Quem sou eu

Minha foto
Graduado em Artes Cênicas, Teologia e Ciências Sociais. Mestre em Sociologia e Direito pela UFF e Doutor em Sociologia pelo IESP-UERJ. Pesquisador de Relações Raciais no Brasil, Sociologia da Religião e Teoria Sociológica. Professor de Sociologia, Filosofia e Ética do Instituto Federal do Espírito Santo - IFES.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

"Por que Régis Danese e Thalles Roberto?"

Eles são considerados dois fenômenos da música gospel dos últimos anos e, embora o mundo gospel seja repleto de nomes de maior envergadura, como é o caso da conhecidíssima Aline Barros, Régis Danese e Thalles Roberto ganharam a cena, mexendo nas estruturas antes inalteradas pela presença dos outros que os precederam. Mas isso não se deu apenas como sendo mais um simples "golpe de mídia", já que a mídia sempre prefere investir em rostos mais "privilegiados", coisa que, segundo o próprio Thalles, ele não tem.

O que então explicaria a força que Danese ganhou, cantando "entra na minha casa, entra na minha vida, mexe com minha estrutura, sara todas as feridas", chegando a tocar em praticamente todas as emissoras de rádio e a ser convidado a participar de dezenas de programas de tevê? E o que explicaria a ascensão de Thalles,  que, cantando "de braços abertos quero te receber, filho eu estava esperando você", chegou à condição de maior vendedor de dvd´s e cd´s no país, superando quaisquer outros artistas solo e bandas? 

Do ponto de vista sociológico, a explicação vem do fato de ambos os cantores preencherem de forma singular a uma específica demanda. Como é sabido, os dois falam diretamente a um segmento composto por dois tipos bem particulares e que estão em franca expansão no mundo evangélico: os afastados e os desigrejados. Os afastados abandonaram de vez o barco e os desigrejados, desiludidos com o sistema de poder no mundo evangélico, continuam mantendo a fé, embora sem se sentirem pertencentes e sem uma frequência regular a uma específica comunidade cristã, algo que foi recebido com louvor por vários segmentos da grande mídia, já que lhes pareceu uma "libertação da alienação religiosa evangélica", além de os desigrejados formarem um segmento com uma visão crítica que lhes catapultou à respeitável condição de formadores de opinião, possibilitando-lhes mais voz e vez. 

Mas é claro que, dados os números das vendagens, os dois cantores ultrapassaram as delimitadoras fronteiras da música gospel. Tanto que Danese foi gravado por vários outros cantores e Thalles chegou a ter o seu maior hit cantado pela muito conhecida Ivete Sangalo! Ainda assim, a força de tais cantores está dentro de um segmento bem específico e que ainda prefere comprar cd´s a fazer cópias que possam lhes gerar um "peso de pecado" na consciência. Por conta de tal fidelização, então, as gravadoras - praticamente quebradas com o advento da internet - fizeram de tudo para que os seus super-astros gospel chegassem aos ouvidos da população como um todo. Deste modo, abriram-lhes as portas para as emissoras que, até então, de interesse em música gospel tinham quase nada. Raul Gil que o diga.

É importante também lembrar que, apesar de parecerem ser apenas mais um golpe de mídia, Thalles e Régis preencheram uma lacuna nas mentes do povo como um todo - e não apenas os evangélicos - já que, mostrando que saído da caverna o indivíduo fica perdido, visto que a realidade se mostra de fato "real"; mais violenta, assustadora e cruel do que as sombras no fundo da caverna, as letras dos cantores propõem uma volta aos 'braços do Pai", apresentando a tese de que o indivíduo está fadado a não ser livre, já que precisará sempre do padre, do pastor ou do analista. Sem um deles, a pessoa não vive bem, uma vez que precisa de um senso moral socialmente corroborado para se sentir "certo" e no "lugar certo", que é "o centro da vontade de Deus".

Até quando se manterá tal sucesso do mundo da música gospel não sabemos. Todavia, em termos "morais", será interessante notar a mudança das categorias afastado e desigrejado para evangélico não-praticante. Quando isso acontecer, qualquer gravadora estará quebrada, pois, como afirmou Dostoiévski, tudo será permitido, já que "Deus" não mais existirá.

liberdade, beleza e Graça...