Quem sou eu

Minha foto
Graduado em Artes Cênicas, Teologia e Ciências Sociais. Mestre em Sociologia e Direito pela UFF e Doutor em Sociologia pelo IESP-UERJ. Pesquisador de Relações Raciais no Brasil, Sociologia da Religião e Teoria Sociológica. Professor de Sociologia, Filosofia e Ética do Instituto Federal do Espírito Santo - IFES.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

"Pesquisa Datafolha: Lula ou Dilma, no primeiro turno"

No último domingo, dia 16, o Datafolha divulgou uma pesquisa de intenção de voto para a presidência do Brasil em 2014, quando vence o primeiro mandato da presidenta Dilma Rousseff. É claro que, sendo feita pelo Datafolha, instituto do conservador jornal Folha de S. Paulo, a pesquisa intentava captar, sobretudo, a força do processo da ação penal 470, batizada de "mensalão", sobre a intenção de voto dos brasileiros.

Para surpresa da grande mídia, chamada pelos mais progressistas de golpista, a pesquisa traz Lula ou Dilma como vencedores, já no primeiro turno. A independer da candidatura a ser defendida pelo Partido dos Trabalhadores em 2014 (sendo que Lula já afirmou que sua candidata é a atual presidenta), a pesquisa mostra que o PT ganharia facilmente a eleição, o que assustou, e muito, a grande mídia, fazendo com que tal pesquisa sequer fosse mencionada pela Rede Globo, carro chefe - ao lado da revista Veja - do que é hoje chamado de PIG - Partido da Imprensa Golpista.

O excelente Observatório da Imprensa chegou a conjecturar que talvez a mídia não tenha tanta força assim, ao se pensar em formação da opinião pública. Afinal, a voracidade com que Globo, Veja, Estadão e Folha trabalharam o evento "mensalão"  não poderia ser paga com um povo que "parece que não entendeu nada"! Sim, parece que a força da grande mídia não atingiu o demos, o povo; não atingiu a democracia.

Se o Observatório estiver com a razão, Marx poderá ser mais problematizado, uma vez que uma sua tese defende os detentores do poder econômico como detentores também do poder de formar opinião e gerar as demandas que mais lhes interessam. Agora, se o povo, apesar do teatro promovido em torno da ação penal 470, não mudou radicalmente de intenção, buscando uma direita que sempre o recebe (em épocas eleitorais) "de braços abertos", é porque tal povo, o demos, não forma sua opinião pela grande mídia! Se essa afirmação for verdadeira, existe razão para se ter esperança no Brasil. Existe motivação para se buscar o fim da corrupção no país. Existe, pois, saída para todos as demais mazelas sociais brasileiras, visto que a pior delas, a opinião publicada tentando ser entendida como pública, gerando alienação e manipulação, já não se conseguirá efetivar. 

Que todos os culpados por corrupção sejam punidos, sejam do mensalão do PSDB, sejam do mensalão do PT, sejam de quaisquer outros órgãos e organizações. Que o ministério público e a polícia federal tenham  sempre liberdade para investigar a todos, incluindo o procurador geral da República Roberto Gurgel, o ministro do STF Gilmar Mendes, o banqueiro Daniel Dantas e o jornalista da Veja Policarpo Júnior. Enquanto os sonhos deste parágrafo não se realizam, que o povo possa votar com liberdade, independentemente do que pensam Globo, Veja, Estadão, Folha e os demais organismos que pensam que o demos são eles. O demos é o povo; eles, na verdade, são o "demo".

liberdade, beleza e Graça...
  

5 comentários:

julio cruz disse...

"Se o Observatório estiver com a razão, Marx estará sem razão, uma vez que sua tese defende os detentores do poder econômico como detentores também do poder de formar opinião e gerar as demandas que mais lhes interessam."

Cleinton essa não é uma hipotese muito forte não?

Cleinton disse...

Acho que é, sim, Julio. Mas, como você mesmo disse, é só uma hipótese. Interessante, por sinal, mas, uma hipótese. Um abraço, amigo.

Assembléia de Deus Ministério Madureira disse...

A PAZ AMADO, SEU TRABALHO É SENSACIONAL PARABÉNS, PEÇO QUE FAÇA ALGO SOBRE NATAL E ANO NOVO. DEUS TE ABENÇOE.

Liana disse...

Muito bom! Uma ponta de esperança... Lembrei daquela música do Lulu, "A Cura"! Talvez estejamos perto de experimentar verdadeiras transformações..rs.

Cleinton disse...

É um "talvez", Liana, mas já é sim uma ponta de esperança.